7.9.07

O desfile cívico e a catapora

Não sou do tipo que pinta a cara de verde e amarelo quando insatisfeita com o governo. Também não me visto de Seleção em épocas de Copa do Mundo. Mas confesso gostar bastante do desfile cívico de 7 de Setembro, com todo aquele patriotismo - em outros momentos do ano engavetado - aflorando, ainda que de maneira tímida em Shark city. Adoro ver crianças e jovens representando suas instituições de ensino, acho bacana as coreografias ensaiadinhas das meninas de saia rodada e as evoluções das bandinhas marciais (mesmo que estas tenham nos infernizado meses antes do feriado).
Como bom refugiados que somos (sim, eu e marido fugimos assustados de nossa residência, ontem à noite, devido à maldita Chama, que vai me pagar o infortúnio com juros e correção), rolou de acordar diante da avenida mais movimentada da cidade, e utilizada como passarela para o desfile da Independência. Adoro.
Lembrei-me de mim mesma, há uns 20 anos (ou mais), enquanto me produzia, ansiosa, para meu primeiro 7 de Setembro. O tênis imaculadamente branco (naquela época era assim, hoje acho que não é mais), ligeiramente grande demais para meus pezinhos (coisa de mãe, pra aproveitar bastante, caso eu crescesse); o uniforme cheiroso e impecavelmente passado. Passava eu um pente pelos cabelinhos quando olho no espelho. Pintinhas avermelhadas, como num passe de mágica, tomaram conta de todo o meu ser. Era pinta do couro cabeludo até os dedinhos dos pés em tênis novos (incluindo partes pudentas). Diagnóstico: catapora.
Sério: nerd como era, chorei de soluçar com medo de perder pontos na média (era a ameaça, para comparecermos em massa) e triste por não participar desta festa tupiniquim. Não pude ir, minha mãe me deixou em casa, e iniciou os preparativos para o almoço do feriadão enquanto ouvia a rádio local, que informava o andamento do evento.
Só pude concretizar o sonho de marchar garbosamente pelo Centro de minha bela cidade azul um ano depois. Mas valeu muito a pena. Foi lindo de se ver. Os tênis? Sim, eram aqueles mesmos, jamais usados até então. Não disse que eram grandes demais?

3 comentários:

Matheus disse...

Desfile de Sete de Setembro é um saco. Pelo menos não moro mais no Centro. Lá tinha um bumbo dentro do meu ouvido às 7 da madrugada.

Aquilo é chato com X.

Cíntia T. disse...

Teteu, não seja chato. Em Copa do Mundo você é o primeiro a pôr um chapéu exótico na cabeça e sair pelas ruas soprando uma corneta. Poupe-me de sua (falsa) falta de patriotismo

fernanda torres disse...

eu como nunca fui a um desfile de 7 de setembro, nao sei comentar se é bom ou ruim, mas adimito ter muita vontade de ir... quem sabe no ano que vem.