30.8.11

Como manter acesa a chama da paixão

Daí o namorido, todo pimpão, dá uma passadinha em meu flat (hohoho) e anuncia que vai sair com os amigos. Pela quarta vez consecutiva. Levar a mulher de sua vida para jantar? Ih, faz tempo. Cineminha? "Só quando tiver filme bom em cartaz", argumenta, muito sabido e metido a cinéfilo. Ultimamente minha vida romântica se resume a sessões intermináveis de séries, regadas a muito Kit-Kat e amendoim japonês. Não que eu esteja reclamando, até gosto desta rotininha de casal (de idosos), mas, enfim, quebrá-la (a rotina, não a cara do namorado) de vez em quando também faz bem.
Pensando nisso (e incentivada pelos últimos comentários no blog), pensei em trazer à baila, na lição de hoje, um manual basicão sobre como manter acesa a chama da paixão (HAHAHAHHAHA, sou do tipo que ri das próprias piadinhas, ok?). Sendo assim, mãos à obra!
Cansada daquela rotininha maçante proporcionada pelo maridão (noivo, namorado, rolo e afins)? Já não aguenta mais a cara do bofe estirado em frente à TV, vendo futebol e babando na capa da almofada limpinha?


As outrora vigorosas sessões de sexo foram substituídas por algo mecânico e pré-agendado (quarta-feira, amor, vamos brincar de fazer neném)? Cansada por nunca mais ter recebido elogios, flores, presentinhos inesperados e propostas de viagens-relâmpago a um romântico hotel-fazenda? Filhinha, tá na hora de dar aquela chacoalhada em seu relacionamento.
Reclame. Sim, amiga, ponha a boca no trombone, conte para as amigas, desabafe no seu blog (ahahahahha!), alfinete-o sempre que possível (mas de maneira elegante, não saia do salto). Torça para que a estratégia funcione.
Não funcionou? Ok, temos mais algumas cartas na manga.
Se o querido não toma nenhuma iniciativa, assuma a dianteira e proponha ao gajo tudo aquilo que você tem em mente (ok, talvez não tudo). Porque reclamar é fácil, néam, gata?, mas há quanto tempo você não dá aquela geralzona nas partes pudentas com brazilian wax e arrasa na lingerie novinha? Tem certeza que não está abusando das calçolas da vovó, aquelas em tom bege-espanta-homem? O visú tá em dia? E as finanças? Se estiver tudo azul, leve-o você para jantar. Presenteie-o você mesma, inesperadamente (e aí vale tudo, desde um smartphone até uma cueca no formato de elefantinho, passando pelo anel peniano ou por um livro do Proust). Faça uma massagem “relaxante”. Invista numa dança sensual só para os olhos dele. Assuma as panelas e faça aquela massa que ele tanto gosta.
Tentou tudo isso e não deu em nada? Ops, o caso é difícil (mas não impossível).
Matreiramente (como só as mulheres sabem fazer), faça-o lembrar de quando se conheceram, as primeiras baladinhas juntos, a primeira garrafa de vodka que dividiram, aquela rapidinha marota que teve que ser interrompida porque alguém queria usar o banheiro, estes grandes momentos que os transformaram no casal maravilhoso que são hoje. Apele para o “psicológico”, faça ele ter saudades de seu antigo “eu” (no caso, o “eu” dele). Diga que também tem saudades desta época.
Se depois disso, a coisa não andar, só restam duas alternativas: terapia de casal ou... é melhor arrumar alguém mais animadinho, né? (olha a ameaça...).
Enfim, estou na fase da boca no trombone (deu pra notar?). Já xinguei, briguei, fiz beicinho e afins. Aí o fofo teve o desplante de me convidar pra inauguração de um restaurante mexicano, aqui em Shark city. Detalhe: o convite, inicialmente, havia sido feito POR MIM, há coisa de uma semana. Originalidade é mato.

• dicas absorvidas e adaptadas da melhor revista feminina ever, a Cosmopolitan/Nova (contém quilos e litros de ironia).

24.8.11

Como encontrar seu príncipe encantado na balada

(o título é pega-corno no Google, sou malandra)

Aí você se encontra às vésperas de ser considerada titia oficialmente (ok, seu sobrinho mais novo já está com sete anos, agilize!) e ainda se recupera do pé-na-bunda antológico que o traste do seu ex-marido/namorado/noivo lhe deu. Respire fundo, muita calma e leia o post anterior para saber como proceder.
Então, pronta pro abate? A aula de hoje é sobre a mágica arte de conquistar sua alma-gêmea na balada. Yes! Então capricha no saltão e no batom vermelho e... ops, te peguei, hein? É, fia, definitivamente não é partindo pro clichê de Mulher Caçadora que você vai sair do 0x0. Lembre-se que sutileza é vida. Cuidado com vestidos muito curtos, saltos muito altos, batons muito vermelhos e cachos muito loiros. Você quer um marido, e não ser considerada a nova biscate divorciada/largada/abandonada do bairro, néam? Seja (ou pareça) fina. Até os bofes mais chucros se admiram com a fineza feminina. Não fale alto, não GRITE, não gargalhe atirando a cabeça pra trás propositalmente (a não ser que seja sua marca registrada, aí paciência).
Roupinha sexy-sem-ser-vulgar escolhida, maquiagem clean-fake (do tipo que parece que você não fez nada, quando passou uma hora e meia corrigindo a cobertura da base), saltinhos decentes (mas confortáveis: pior coisa é ver a muiézinha capengando no meio do salão, cuide da postura): bóra pra luta.
A escolha do lugar: aí vai depender do tipo de homem que você quer conquistar. Se for um gurizão, todos os barzinhos/boates da cidade (de todas as cidades) estão liberados. Se for um tipão mais velho, aí complica. Restaurantes descolados, onde rola um happy hour amigo, são boas sugestões. Bailões com música sertaneja: têm potencial, não os despreze. Mas seja seletiva, olho vivo! Festas na casa de amigos populares são boas dicas, sempre tem alguém dando sopa.
A bebida: um ou dois drinks não fazem mal a ninguém. UM OU DOIS DRINKS. Chutou o balde? Encerre a caça esta noite, está fadada ao fracasso. Você curte homem bêbado bafejando no seu ouvidinho? Então...
A música: não tente ser o centro das atenções exibindo suas habilidades na pole-dance. Não desça até o chão nem bote a mão no joelho, dando uma abaixadinha em seguida. O resto tá liberado.
O olhar: amiga, não faz a coruja, girando a cabeça 180º por segundo a procura de um olhar interessado. Low profile é de regra. Observe discretamente, alguém vai morder a isca, se Deus quiser.
Se alguém se aproximar, belezera. Inicie uma conversa com um sorriso simpático. Por favor, logo no primeiro encontro, não precisa informar que o bastardo do ex está com a pensão atrasada, que você está deprimida por estar solteira, que a família inteira anda cobrando casório, ou, pior, que sonha em ter quatro filhos. Cale esta boca!
Se ninguém se aproximar: não desanime. Encha-se de coragem e troque comentários com aquele tipinho interessante ao seu lado.
Sexo no primeiro encontro? Você que sabe, amiga. Se rolar, rolou. E se ele não te ligar mais depois, mande este homem das cavernas à merda. Camisinha, né?
Enfim, é por aí. Seguindo estas regrinhas de ouro, você certamente iniciará 2012 com uma vistosa aliança no dedinho. Ou, pelo menos, com alguma história hilária pra contar. Tenha fé.

Mulher Caçadora

Você, gatinha marota, que perdeu preciosos seis (sete, oito?) anos de sua vida com aquele namorado imprestável que abusava do desodorante Axe, cortava as unhas do pé na sala e dormia de meia;
Você, que investiu sangue, suor e lágrimas num (im)provável casamento, comprou terreno no Monte Castelo, deixou a manicure de lado por um ano só pra economizar pros tijolos e telhas;
Você, que já sonhava com a decoração da igreja no dia do casório, e no churrasco com maionese que se seguiria depois, no centro comunitário anexo;
Você, querida amiga, que de repente se vê novamente solteira: CORAGEM. Agora que seu relacionamento acabou, é preciso ter em mente duas certezas:
1) Não tem como você encontrar um outro sujeitinho tão mala quanto o primeiro, é praticamente impossível.
2) Homens solteiros com mais de 30 não existem.
Partindo desta triste e dramática premissa, vamos aos fatos:
a) Garotões lindos, solteiros e sarados com menos de 30 anos estão aí pra isso mesmo;
b) Homens divorciados, charmosos, inteligentes e bem-sucedidos, com (mais ou menos) mais de 40 também – e a vantagem é que já fizeram o testdrive com alguma outra pobre-coitada;
c) Sempre existe a possibilidade de você partir pro lesbianismo.

Porque, né, gente?, casar hoje virou Festa da Uva, o jovem casalzinho se apaixona e no mês seguinte já dá entrada nos papéis, sem sequer imaginar que: ele vai roncar/peidar a noite toda; ela vai esquecer a depilação por meses a fio; a TPM dela vai deixar de ser temporária para se tornar permanente, 24/7; o descaso dele pela própria aparência vai se tornar tão alarmante que será necessário tocá-lo para o banho semanalmente (pelo menos); nenhum dos dois é papai e mamãe de nenhum dos dois – e é aí que a porca torce o rabicó.

Enfim, vistas todas as suas possibilidades, vamos à luta. Perca aqueles quatro (seis, oito?) quilinhos que adquiriu durante sua vida de comprometida, passando noites a fio pedindo pizza e bebendo vinho barato em frente à TV. Afine esta cintura, pelamor. E de preferência não a engrosse mais (exceções são permitidas para casos de gravidez).
Renove seu guarda-roupa. Venda o terreno do Monte Castelo e invista em peças sexies (mas não periguetes, pleeeease), que valorizem suas novas formas pós-separação. Não esqueça dos sapatos!
Arregimente aquelas amigas que até ontem você ignorava no MSN (“ai, credo, só falam de homem...”). Elas serão sua porta de entrada para a vida da Mulher Caçadora. Sim, querida amiga-que-não-consegue-ficar-sozinha (fica a dica, Débora, que nunca vai entrar aqui pra ler isso): agora você é oficialmente uma Caçadora. Mas com muito mais expertise, savoir-faire, jogo de cintura e bom gosto (bom, pelo menos é o esperado: amadurecer também serve pra isso!).
Se sobrar dinheiro, melhor ainda: mulheres bem-sucedidas são afrodisíacas (hahahah). Não venda o terreno do Monte Castelo e construa sua casa. Só sua. Lindona.
Esqueça esta ideia fixa (que sua avó implantou em sua cabecinha) de que tem que “arrumar marido rico”. Bobinha... homens ricos casam com meninas de 20. Lindas. Saradas. Perfeitas. Em contrapartida, agora que você é uma mulher de respeito, tem casa própria e tudo, também pode se dar ao luxo de casar com um menino de 20. Igualdade entre os sexos é a palavra-chave, galero.
Estude. Leia. Ande sempre bem informadinha. Ok, pelo menos não use o português errado, “nós vai”, “eu truxe”, “tá meia cheia/vazia/estragada”. A não ser que seu foco sejam homens burrinhos. Tem gosto pra tudo.
Atenção aos detalhes: sobrancelhas e unhas em dia, cabelos impecáveis. Homem não repara em detalhe, você poderá me dizer. Mas repara o resultado geral.
Enfim, agora é só atacar! Seja seletiva, não pareça desesperada. Boa sorte.
Mais uma dica: esqueça tudo isso e vá ler um livro. Perder tempo pensando em achar homem é uó.
Em breve: como encontrar seu príncipe na balada (hahaha, vou me divertir muito escrevendo isso).

19.7.11

Nerd, não-nerd, patricinhas, mauricinhos e seja qual for o raio da tribo que exista hoje: estão todos convidados

1º NOB-TUB




Que tal entrar em contato com todo aquele povo bonito e simpático que transforma sua timeline num stand-up comedy virtual diário?
Ou conhecer "ao vivo e a cores" os avatares mais engajados, politizados e bem informados da região?
De repente, trocar urls com aquele blogueiro divertido e polêmico que tanto admira?
Esta é a sua oportunidade! Participe da primeira edição do NOB-TUB, que vai acontecer no próximo dia 27 de julho, a partir das 20h, na Dilson Pizzaria. A entrada é franca, a diversão é garantida e o contato humano, indispensável.
O NOB (NerdsOnBeer) é um evento aberto a todos os interessados cujo objetivo é promover o entrosamento entre todas as tribos que fazem uso das mídias sociais (ou não). O encontro não tem regras – ou apenas uma regra – conversar, interagir, conhecer pessoas interessantes, ampliar seu círculo de amizades/contatos/fontes.
Ah! Quase esquecemos de uma informação importantíssima: Os participantes do NOB-TUB terão descontinho amigo no delicioso chopp do Dilson. Venha, participe e seja feliz com a gente.

2.3.11

Moda : as finas de Paris, as doidas de Londres

Claro que não sou nenhuma especialista (hahaha, longe disso). Mas minhas incursões por editoriais de moda em todos os formatos e meu interesse sui generis pelo tema me levaram a escrever um modesto post sobre a moda em Paris e tudo o que você deve ter no armário para o inverno que se aproxima. Claro, vale a sugestão, não há nenhuma regra. Até porque... acredito que será meio difícil fazer os brasileiros (homens) usarem LEGGING, coisa que os londrinos fazem com maestria (e sem nenhuma vibe gay, juro).
Em Paris o que impera é a elegância e a reinvenção do clássico. Lá não vinga nenhuma modinha maluca e temporal, como saias de tule e cortes de cabelo moicano. Mulherada se joga nas botonas (aí valem coturnos lindos, saltões vertiginosos e flats fofinhas), usadas com meia-calça grossa ou mesmo leggings. E os casacões pesados e lindos de morrer, super bem cortados, ajustadinhos.
Ah, e tem todo o glamour das echarpes fofonas, enoooormes, de todos os materiais possíveis (lã é um básicão digno e indispensável). Sim, tanto elas quanto eles usam boinas e gorros, acho lindo e comprei meia dúzia (mentira, só três).
O casaco super quentinho e volumoso se justifica: suficiente para, sozinho, espantar o frio da rua, pode ser usado com quase nada embaixo, já que deve ser descartado ao se entrar em qualquer lugar: aquecimento central é luxo e alegoria indispensável por lá. Tá com muito frio? Se joga em qualquer lojinha ou boteco que vai estar quentinho.
Os homens são absurdamente ligados em moda, não vi nenhum cafonão com a camiseta do time (ops, @caetanomachado, foi mal...) e aquela calça véia de moleton frouxa na bunda. Os caras usam ternos de corte perfeito, ou jeans (skinny, skinny, skinny!!!), com os casacões superpower. Seus cortes de cabelo mereceriam uma postagem exclusiva, mas não tenho muita habilidade pra desenvolver algo na seara capilar. Meio compridinhos, meio desleixados "propositalmente" (mas com aquele jeitão de que foram repicados com esmero no coiffeur mais caro do quarteirão). Eles também lançam mão das echarpes e cachecóis grandões/gigantes. Pra complementar, luvas e boinas. Amei. Só não fiz fotos dos caras no metrô porque fiquei com vergoinha. Sei lá, vai que alguém resolve pedir direitos de imagem, né?
Já em Londres o que impera é a originalidade. Nada de sair por lá "uniformizadinho", jeans e camiseta sozinhos não ornam ninguém. Olha, é cada figuraça que me dá vontade de voltar só pra ficar na janela olhando os tipões excêntricos.
Claro, pode observar um certo padrão: meninas de vestidos (bem fofos) e sapatilha, meninos de legging (já falei que é sério), coturnos e jaquetinhas ou casacos pesados.
Por ficarmos apenas três dias por lá, não deu pra apurar muita coisa, mas algo me intriga (e se alguém por aí tem experiência em Londres, favor explicar): o frio tava de lascar, chuva incessante, minha pele ressecou inteirinha (ah, Avéne, o que seria de mim sem você?), mas a galera nem tchuns, dispensam até meia-calça pra exibir as pernocas branquelas. Só de olhar me arrepiava. Mas tá valendo, talvez tenham se acostumado com estas agruras climáticas.
Em Londres o povo é doido, usa acessórios ultra-bacanas, mix de estampas, chapéus alucinantes, cortes de cabelo UAU, makeups lika Lady Gaga. Vi até uma mulher de calça de pijama no metrô. Não, não era louca nem mendiga. E o povo nem confiança, tudo pode, nada é proibido e "estranho" (pra eles, néam?).
Enfim, foi uma puta aula de estilo e comportamento. Espero conseguir adaptar alguma coisa pro nosso inverninho tão amigável. Claro, tem muito mais, vou postando assim que possível.

Como ser pobre (e feliz) em Paris

Ai, gents, voltei da minha venturosa peregrinação a Paris e Londres ontem e só agora me dignei a postar algo a respeito. Não é fácil: quando você dispõe de poucos dias para conhecer tudo aquilo, não é de bom tom ficar na frente de um computador quando o mundo revoluciona lá fora, há muito o que fazer e as horas de folga são direcionadas ao sono dos justos. Porque se anda muitíssimo, ainda que com a providencial ajuda dos metrôs. E só não emagreci uma grama porque também se come como reis e clérigos.
Dizer que foi sensacional, um "sonho realizado", a coisa mais maravilhosa ever e afins é pecar pelo clichesismo e pelo lugar-comum. As duas cidades são maravilhosas (ainda mais para quem tem o bolso recheado daquele rico dinheirinho europeu, claro).
A temperatura variou entre os quatro e os oito graus, dilícia que me fez parar para pensar sobre minhas aquisições em matéria de casacos. Eu não sabia, mas meus lindos trenchcoats não SERVEM para o inverninho das zoropa, nem mesmo para o fim do inverno. Tem que ser lã, senão é foda e você vai peregrinar de um lado a outro encolhidinha feito uma ostra, batendo o queixo. Tênis são excelentes opções para o city tour, ainda que não tão glamourosos quanto as botinhas que TODAS as francesas ostentam em seus delicados pezinhos (claro, elas não estão ali para percorrer a cidade de ponta a ponta).
Falo mais sobre Paris porque foi onde permaneci por mais tempo (cinco dias muito intensos). Neste período, pude comprovar e refutar algumas das teorias mais repetidas pelo senso comum sobre a Cidade Luz.
Primeiro: Capital da Moda, néam? Fato. TODOS os franceses são lindíssimos, homens e mulheres. Magros, elegantes, bem vestidos e perfumados (não cafunguei no sovaco de ninguém pra saber se tomam banho ou não, mas todos deixam aquele maravilhoso rastro de perfume bão quando passam). Juro que não vi um nativo gordo - nem mesmo gordinho - por lá.
As mulheres andam super maquiadas (sem exageros, no entanto), algumas usam salto, mas a maioria opta por calçados baixos e confortáveis (mas não aquelas sapatilhas de velhinhas, claro). Os homens - pelo amor de Deus, pausa para respirar - parecem terem saído de um anúncio da Dolce & Gabbana. Uma coisa assim:

Sério.
Claro, crianças, velhinhos e até os cachorros também são finos e bem-vestidos.
E segundo: franceses são antipáticos e maltratam os turistas: MENTIRA. Ai, gente, esta foi a maior maldade já dita sobre este povo. Podem não gostar de água e assoar o nariz com força no metrô, na frente de todo mundo, sem pudores. Mas te tratam muito bem, são educados, gentis e atenciosos e, o mais legal, franceses (e europeus em geral) AMAM brasileiros. É dizer que é brésilien pra um sorrisão abrir no rosto de seu interlocutor. Dá até um orgulhinho.
Tem mais: todo mundo fala inglês (e outros idiomas também, de vez em quando). Comunicação, de fato, não é nenhum problema. Vá sem medo.
Agora, se a grana é curta... don't worry! Vá aos museus, passei pelas ruas, arrisque-se pela Champs-Élysées e pela galeria Lafayette sem medo, reserve seus trocados para comer e beber bem (o que é muito fácil, com bistrôs fabulosos a cada cinco metros). De quebra, dê uma passadinha naquela farmácia da esquina do hotel e surpreenda-se: produtinhos da La Roche Posay, da Avéne e da Vichy, entre outras marcas locais, a preços convidativos (mas não baratos. Nada é barato de fato, lá). Fiz o sacolão básico. Além do que, sempre tem uma H&M a cada esquina, além de Montmartre, reduto da boemia francesa onde rola toda uma vibe 25 de Março em forma de bibelôs, lencinhos e posteres incríveis.
Seja feliz, o que é bastante fácil mesmo sem a carteirinha recheada. Agora é economizar pra voltar o quanto antes!



Eu com meus partners de viagem, Regininha e Dieguito (por trás das lentes, namorado).

18.2.11

Espanando teias de aranha

Ok, passando por aqui só porque não aguento mais ler o título daquele último post, datado de mil novecentos e lá vai pedrada. Se alguma alma viva ler estas poucas linhas, saiba que muito em breve postaria alguma coisa, qualquer coisinha, pra que ainda possa me intitular blogueira. Juro (promessa feita por mim para mim mesma).

21.12.10

Reminiscências de 2010

E então você se percebe pensativa na época mais feliz do ano porque o amigo querido do coração de mil anos a destrata como se lixo fosse, porque uma bichinha pocpoc fez pouco caso de sua onipotência, porque a chefe cobrou algo que não pode ser pago, porque o fim da linha se aproxima galopante. É época de festas, pernis, maioneses elaboradas, arrozes a grega, espumantes em promoção, presentinhos da Natura e da Cacau Show, mas você só consegue pensar no rumo que sua vida deverá seguir quando voltar de Paris.
É, amigos, porque eu sou pobre (mas limpinha), fodida e com a corda no pescoço, mas vou me divertir na cidade luz em fevereiro, portanto, até lá, dane-se o mundo, com seus tsunamis de ocasião, guerras civis, wikileaks, Tula Luana, Aretuza, tetinhas de Susana Vieira, 2012 e afins.
Anyway, caso não seja raptada por um francês charmoso, limpinho (faço questão, eis a dificuldade) e minimamente inteligente (e caso o namorado permita o sequestro), eu hei de voltar para minha vidinha mais ou menos em Shark City, onde amigos cospem no confessionário onde despejaram suas mais secretas ansiedades e paranoias, onde para ser relevante (ou pensar ser relevante) é necessário lamber as bolas das autoridades estabelecidas, onde contestar é sinônimo de afronta moral.
É difícil chegar aos (oooooops!) 30 anos (e mais alguma coisa) e verificar que sua vida não caminhou do jeito que deveria ter sido, e perceber que só uma reviravolta estilo twist, do cinema, conseguiria fazer a diferença.
Mas eu não sou assim de desistir tão fácil (hum-hum, mentira!), ou, melhor dizendo, algo muito estranho que habita minhas entranhas me diz constantemente que devo relaxar e acreditar que coisas melhores virão. A merda é que eu me influencio por esta previsão picareta auto-infligida e bóra acreditar piamente que, daqui a dois, três meses, as coisas mudarão de figura.
A merda é que nem dá pra apelar pra ironia extrema, visto que, repassando o passado não tão distante, as coisas realmente mudaram de figura, de quando em vez (pelo menos pra mim). É o que me leva a alimentar certa fé.
Nunca fui de amarrar bode por conta de fim de ano, acho uó depressão pré-réveillon, mas fica aqui meu desabafo contido (poderia ser pior, sério!) por conta desta época do ano tão significativa. Anyway, bóra preparar os petiscos pra servir pra moçada faminta que vai invadir meu espaço neste fim de semana. A dica? Farofa de banana. Mammy aprovou ano passado, vou repetir caso ela não insista em ganhar um neto nesta altura do campeonato.

5.11.10

Assalto frustrado

A noite estava agradável, propícia para aquele pulinho ao restaurante/bar/boate mais próximo. O clima de guerrilha provocado pelas eleições havia arrefecido, todo mundo só pensava mesmo em se jogar na cerveja gelada e papear gostosamente com os amigos. Chegamos à pizzaria, eu e a família do meu homem (hahahahhahah, eu tento parecer séria, mas me dá engulhos só de escrever "meu homem", que coisa cafona...) e pedimos uma rodadinha básica, com coca-cola zero que é pra manter a cinturinha de buj... quer dizer, de pilão.
Conversa vai, conversa vem, planos sonhadores para a viagem que se aproxima, sonzinho rolando bacana, o sogro até arrisca cantarolar junto com o crooner: "...nosso apartamento... um pedaço de saigon-on-on".
Eu estava sentada bem no fundo do restaurante, de costas para a entrada. E só percebi certa movimentação quando todos os olhos já se fixavam em uma criatura com uma camiseta enrolada na cabeça, caminhando, decidido, rumo ao caixa do estabelecimento. "É um assalto", o namorado solicitamente me informou, e eu já jurando que era uma performance teatral daquelas, cujos atores fazem três piruetas e duas falas, ninguém dá bola, e depois vêm pedir dinheiro na sua mesa.
Não consegui entender direito, quando me virei pra acompanhar o movimento o garoto já saia porta afora. Ficava difícil acreditar no potencial marginalístico do gurizinho, que não devia ter mais que 16 anos, dava vontade de estapear a cabeça e mandar ir dormir sem tomar nescauzinho.
Mas você manja só o perfil pacífico da cidade (que de pacífica não tem mta coisa, já fui assaltada a mão armada DUAS vezes em Shark city, e homicídios pululam por aí). Quer dizer, pacífico é o perfil dos moradores de Shark, não habituados com situações como estas. Geral simplesmente ficou cantarolando Emílio Santiago, mordiscando suas bordas de cheddar e nem tchuns pro piá (na verdade, eram dois meninos, eu tive a incrível capacidade de não ver o segundo indivíduo).
E o que rolou é que o assalto simplesmente NÃO ACONTECEU. Yeah. Os delinquentes foram solenemente ignorados e acharam de bom tom dar no pé antes que alguém os deixasse de castigo, ajoelhados no milho.
Até chegaram a chamar a polícia, e tals, só pra fingirmos, coletivamente, que tinha sido algo relevante. E poderia: dizem que um dos garotos estava armado, mostrou o brinquedinho pra quem quisesse ver - nada muito diferente do que uma pistolinha de 1,99.
Poderia ter dado bem certo (se o som estivesse mais baixo, talvez todos tivéssemos escutado o "é um assalto" da dupla). Caso o pânico se instaurasse, os guris levariam uma boa soma pra casa - pensa no conteúdo de umas 50 bolsas e umas 50 carteiras, no mínimo, fora a soma do caixa? Mas eles calcularam mal. Entraram com rosto coberto, tentaram intimidar com a pistolinha de plástico mas... a camiseta. A camiseta enrolada na cabeça do menino. Aquilo ali não era um assaltante nunca na vida. Branquíssima, lavadinha, devia ter cheirinho de amaciante, cuidadosamente passadinha por mamã. O garoto devia ter até talco e hipoglós no meio das pernas. Dica para o assaltantezinho de araque: tente parecer mais perigoso, menos filhotinho indefeso. Como já disse, fui assaltada duas vezes, sou expert no assunto, e aparência conta muito, nesta hora.