11.9.06

Ratofobia


Mulheres são fortes. Não é à toa que enfrentam tantas e tão grandes adversidades ao longo da vida. Às mulheres cabe hoje uma diversidade tamanha de responsabilidades intrincadas e desafiantes que muitas sonham com um dia de 48 horas. Trabalhamos pesado, temos tantas múltiplas funções quanto nossos companheiros, exercemos cargos de chefia, comandamos empresas, gerenciamos estabelecimentos comerciais, governamos cidades, Estados, países. Além disso concebemos filhos, cuidamos de afazeres domésticos, limpamos banheiros, varremos calçadas, lavamos toneladas de roupas. Sem falar dos cuidados pessoais, inúmeros e indispensáveis: cabelos pedem atenção especial e diária; pele, idem. Make-up, dress-up, acessórios, perfumes, cremes, hidratação, massagem, drenagem, academia, lipo, silicone. Ufa. E enfrentamos a tudo isso com maestria, classe, glamour puro. Quase tudo isso. Para (a maioria d)as mulheres, encarar uma agulha bombada de anestesia geral, uma sessão hardcore de depilação com cera ou uma cadeira de dentista-carrasco é cosquinha perto de enfrentar um mini-micro-ratinho camundongo. Domingão à noite, eu lavando o rosto com meu sabonete-líquido-suave-a-base-de-leite-da-Natura, quando, da cestinha de roupas sujas, pula um mimosíssimo ratoburguer acinzentado, uma bolinha peluda que em desenhos animados poderia até ser bonitinha. Pânico na zona sul. Eu praticamente me tornei aquela dona de casa do Tom e Jerry, que só aparecia da cintura pra baixo, sobre uma cadeira, esperneando, enquanto o desgraçado do Jerry se divertia e assaltava a geladeira. Medo, muito medo. Deve ser por isso que eu sempre torci para que o Tom estraçalhasse aquele desgraçado. Motherfucker!

(by Cíntia T.)

Um comentário:

Germana Telles disse...

Olha, ter amigos é muito bom. Mas quando se chega em casa numa sexta à noite, depois de limpar o cocô do cachorro, ver o Super Pop e comer um macarrão...É bom demais dar gargalhadas fortes, altas, desabafadas gargalhadas, conferindo mais uma vez que a inteligência dos meus amigos REALMENTE salva minha vida. É tão bom que, depois de ler esse blog eu só tenho mesmo é que dar uma golada no vinho, aumentar um pouquinho o som no ouvido (pra síndica não reclamar) e dar graças a Deus.
Beijos, Cintekinha. Obrigada por estar por perto. Salvem os ratos (de quatro patas), os blogs, os amigos e os cremes da Natura!