17.10.08

Festanças bombásticas, casórios efêmeros

Num destes Lulus`Club da vida, D. contou sobre sua retumbante festança de formatura, há alguns meses, e disse não ter medido esforços para que as lembranças da ocasião fossem as melhores possíveis. Na formatura de D. não teve puta pobre nem gigolô sem cigarro, foram toneladas de requintados acepipes, “cataratas”de camarão, litros de champã da boa (sem essa de espumantezinhas doces com rótulo de maçã), milhares de fotografias (num total de mais de R$ 2 mil, só da colação) e ingestão de quantidades etílicas tão absurdas que o fizeram rebolar até o chão ao som de Créu mesmo quando a banda executava uma vanera.
G. girl concordou com tudo, em absoluto. Disse-nos que na ocasião de sua formatura, em 1983 (hahahahahaha), o Diário de Pernambuco cedeu a capa para flashes dos melhores momentos do randevú universitário. Foram sete dias, uma semana inteirinha de festejos, que culminaram com um delicioso Show de Calouros a moda do tio Sílvio – com direito a solo de guitarra de nossa querida mameluquinha. Oito cabras foram abatidas e icebergs de água de coco com cachaça foram chacoalhadas na coqueteleira para satisfazer a eterna sede nordestina. “Minha mãe disse: filha, formatura é pra vida toda; o que já não posso dizer de um casamento”, relatou-nos G. Sábia dedução.
Porque se apenas uma catastrófica cagada profissional é capaz, hoje, de tirar-lhe das mãos seu tão suado diploma universitário, o mesmo não se pode dizer de um casamento, que, embora comemorado com festas arrasa-quarteirão, gastos infindáveis com flores, decoração, buffet, bebidança, convites e o indefectível vestidão-cobertura de bolo aglacesado (hein?), tem a capacidade metamorfósica de se transformar de sonho de princesa a dor de cabeça daquelas de jogar o caríssimo álbum recheado de momentos românticos pela janela aberta mais próxima.
Não se enganem os leitores com minha visão possivelmente pessimista das bodas matrimoniais. Casamento é bom, eu gosto (do meu) e é sempre bom ter um colinho macio para aconchegar-se nos dias mais frios (e nos quentes também). Mas nem tudo são flores e o mundo das celebrities está aí para não me deixar mentir – se é pra casar mesmo, faça um test-drive antes, pelo amor de Deus. Que o digam Roberto Justus, Eliana Dedinhos, Isabelli Fontana e o loiro namorado do Wolf Maia, Fábio Junior, Ana Maria Braga e os recordistas Murilo Benício e Giovana Antonelli. Isso se ficarmos no plano das celebrities, que eu não sou louca nem nada de dar nome aos bois locais.

Ao invés de impressionar seus convivas com uma mega-recepção, aplique melhor seu rico dinheirinho e impressione vocês mesmos com uma Lua-de-Mel fodástica de um mês de duração. Só por isso o casamento vai perdurar por, no mínimo, um mês a mais que a média.

Plus Bebê a bordo – D. e G. perguntam-se até quando dura o namorico de Ivetão Sangalo, agora devidamente emprenhada, e o rapazinho de 23 anos escolhido a dedo pela musa baiana, tal e qual um touro procriador cujo sêmen vale seu peso em ouro (o peso do boi, não do sêmen). Façam suas apostas. Eu digo que até março a coisa se arrasta. Sem festança de casamento, I hope so. Não quero ser pega de surpresa pela capa da Caras, ainda não recobrei a saúde mental depois do casório de Scheilloka Carvalho em Miami, o de Ju Paes e o de Clauddzinha Leitthy.

2 comentários:

Maite Lemos disse...

oi Cintia.
Viste o Diario do Sul de hj?
Entaum... naum sei se tem o teu dedo aí. Se tiver, valeu. Se naum tiver, mesmo assim valeu pela força do pensamento :P
De qualquer forma, vou entrar em contato com a Micheline hj pra fazerem a cobertura do baile.
bjnho

Guilherme Corrêa disse...

Próxima capa de Caras: Maisa grávida! Ou então algo muito bombástico e que pegaria todos de surpresa: Adriane galisteu se separa. tadinha....