18.8.08

Mansão Rosa em obras (ou O Cadastramento)

Há alguns dias fui visitar a querida Madame Louise - não sem antes reservar um horário em sua atribuladíssima agenda. Quando cheguei aos portões da Mansão Rosa, surpresa: operários da construção civil, sarados, suados e em trajes sumários, desfilavam carregando vigas, ripas de madeira, galões de tinta e brochas, para cima e para baixo. Madame está a reformar suas tão grã-finas dependências. Minha antiga suíte, por exemplo, encontra-se no momento soterrada com as prateleiras de mogno da biblioteca real de Madame, com todas as enciclopédias, as edições de luxo de primorosas obras literárias e as revistas Caras, as quais Madame tanto preza, delicadamente encadernadas em couro, tudo displicentemente espalhado por todos os cantos.

Madame, sempre muito ativa, contratou a organizadora de ambientes Susana Rock para auxiliá-la em mais esta grandiosa obra. "Agora Susana está dando um acabamento original na mobília. Por exemplo, nas peças da sala de jantar ela optou por fazer uma pata, ficou lindo", comemorou Madame, referindo-se à técnica de decoração feita com sobreposição de tintas (olhei no google).

A reforma, que promete não sair nada barata, foi motivo de questionamento junto aos três rebentos de Madame, princesa Déia e duques Crébinho e Édinho. Édinho, o primogênito, chegou a interpelar a nobre senhora para apurar as verdadeiras razões para tão radical mudança. "Mas meu filho, tu sabes que esta reforma vai servir para aumentar meu matrimônio", tranquilizou Madame, querendo garantir um futuro tranqüilo para si mesma e para seus descendentes (como se precisasse se preocupar com assuntos tão mundanos).

Meus olhos, até então fixados nos operários, se voltam para o backyard de Louise (ou quintal, para os menos poliglotas). O que vejo, para minha surpresa absoluta? Um pequeno cãozinho amarelo, atado a uma corrente de ouro 18 quilates. "Mas do que se trata isso?", quis saber. "Ah", sorriu Madame, matreira, "Esta é a Lala, adquirimos a bichinha numa petshop da cidade. Já veio até cadastrada", observou a amante dos animais, lembrando do importante método que impede cadelinhas de emprenharem por aí, à toa. Enquanto eu me divertia com Lala, um pequenino inseto, vulgarmente conhecido como pulga, saltou de seu focinho para minha camiseta...

E mais uma deliciosa tarde se passou na Mansão Rosa (agora, em obras).

Um comentário:

susana disse...

ADOREI! CONTINUE FAZENDO ISSO QUE SÓ VC , SABE COMO FAZER BEM. BJOS