24.1.08

Momento ternurinha felina

Prefiro os cãezinhos e sou mais da prosa que da poesia, mas não pude resistir a este poeminha do Ferreira Gullar, roubado do blog Fogo nas Entranhas (do qual gosto muitcho). Não é que é isso mesmo? Motorzinho... hahahahaha! Pra ilustrar, a blogueira ainda usou a foto de um gatinho cinza-prata, igualzinho ao meu Catherine (era macho, mas como o acolhemos micro-filhote não sabíamos o sexo, ele mal tinha pintinho. Como eu lia O Morro dos Ventos Uivantes, na época, pus o nome da protagonista. Aí ficou Kathy, forever. Lindo e antipático de morrer).


O gato é uma maquininha
que a natureza inventou;
tem pêlo, bigode, unhas
e dentro tem um motor.

Mas um motor diferente
desses que tem nos bonecos
porque o motor do gato
não é um motor elétrico.

É um motor afetivo
que bate em seu coração
por isso faz ronron
para mostrar gratidão.

No passado se dizia
que esse ronron tão doce
era causa de alergia
pra quem sofria de tosse.

Tudo bobagem, despeito,
calúnias contra o bichinho:
esse ronron em seu peito
não é doença - é carinho.



A imagem eu não tirei do blog, e sim do google. Igualzinho ao Kathy. Saudades do meu bichinho...

Um comentário:

elaine disse...

Adorei!