17.12.07

Festas de fim de ano: todo cuidado é pouco

Festas de fim de ano podem se tornar uma lancinante dor de cabeça pelos próximos 12 meses de sua vida. As realizadas como confraternização com colegas de trabalho, então, só devem ser encaradas com seriedade, cuidado redobrado e muito tato.
Não à toa, é bom evitar excessos na bebida e/ou contato físico com companheiros de jornada com os quais você até então só trocava um oi. Sempre é bom lembrar: você está sendo observada. Invariavelmente, pela chefia.
Tábata (nome fictício) é funcionária, há poucos meses, de uma universidade da região. Empolgada com o novo cargo, comprou um bonito vestido estampado, que realçava suas exuberantes formas de 23 aninhos, para ir ao jantar de fim de ano na casa dos chefes (digamos que o dono da casa é uma espécie de reitor, e sua esposa, uma coordenadora-mor, ou qualquer coisa do gênero. Very Important Person).
A moça chegou e aceitou um drink gentilmente servido por um dos garçons. A partir de então, "deitou o queixo", como diria Madame Louise. Foram cervejinhas geladas, vinhos perfumados, martinis ultra-doces, batidinhas de coco e uma dosezinha de uísque para rebater. Do jantar, sequer provou uma azeitona (álcool tira a fome).
Não deu outra: foi parar no banheiro social da elegante residência, literalmente agarrada à privada, reencontrando todo o líquido ingerido na noite e algo mais, entre arroz e banana, não identificável.
Além dos jorros de vômito no banheiro da chefia, Tábata desandou a chorar e a implorar pelo emprego - já o considerava perdido. Mesmo com todas as garantias (ainda que mentirosas) de que ela seria mantida no cargo, por parte da chefia, a moça não parava de se lamentar. De repente, desmaiou.
Pânico na high-society universitária. Ninguém sabia direito o que fazer até que a Big Boss notou um bambolê dourado na mão direita da pobrezinha desfalecida.
- Ei, vamos ligar para o NOIVO dela! Só ele poderá salvá-la! - pensaram todos.
Munida de celular, a patroa encontra o número do noivo da bêbada, importante funcionário público num balneário da região, e relata, educadamente.
- Fulano, olá, tudo bem? Olha, estamos com um probleminha por aqui. A Tábata tomou alguns drinks a mais e agora não está passando muito bem... Tem como você vir buscá-la?
A resposta foi a mais surpreendente. Noivos há quatro anos, o casal já planejava juntar os trapinhos, em breve. Com a notícia da bebedeira, no entanto...
- O QUE??? EU NÃO TENHO MAIS NADA A VER COM ISSO! ELA QUE SE VIRE! - desabafou o rapaz, rompendo um longo noivado por telefone, através da chefe e diante de todos os colegas da rapariga, boquiabertos.
Isso é que é dor de cabeça para 2008...

Um comentário:

Eduardinho disse...

Heheh... essa eu quero saber quem é. E tu vais me dizer, heim... heheh. Em consideração ao teu primo!
Mas o presente foi meu. Ri um monte.. heheh.
Tu é fogo né! Menção especial à Vênus platinada!
Abração.